Maria Izilda Santos de Matos

Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1978) e doutorado em História pela Universidade de São Paulo (1991), Livre docência (2016), pós doutorado Université Lumiere Lyon 2/França (1997), atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.Participou de vários outros projetos de pesquisa, é pesquisadora 1 A do CNPq. Em 1994 recebeu o prêmio SESI-CNI de Teses Universitárias, com o trabalho Trama e Poder, em que estuda as indústrias paulistas, entre 1890-1934. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: imigração, música, cidade, gênero, história das mulheres. Entre suas obras destacam-se: Melodia e Sintonia: o masculino, o feminino e suas relações em Lupicínio Rodrigues. RJ, 2ª ed., Bertrand Brasil, 1999. Dolores Duran: Experiências Boêmias em Copacabana nos anos 50. RJ: Bertrand Brasil, 2.ed, 2002. O imaginário em debate. SP, Olho d’água, 1998. A Cidade em debate. SP, Olho D’água, 1999. Por uma história das mulheres, SP, EDUSC, 2000. Meu lar é o botequim, SP, Cia Editora Nacional, 2.ed., 2002. Cotidiano e Cultura: história, cidade e trabalho, SP, EDUSC, 2.ed. 2014. Ancora de Emoções, Bauru, EDUSC, 2005. Gênero e Terceiro Setor. Ed. Catavento, 2005. A cidade, a noite e o cronista: São Paulo de Adoniran Barbosa. Bauru, EDUSC, 2008. História e Deslocamentos: os portugueses. Bauru/Porto, EDUSC/CEPESE, 2008. Portugueses: deslocamentos, experiências e cotidiano SP séculos XIX e XX. Bauru, EDUSC, 2013. Italianos no Brasil: partidas, chegadas e heranças. Rio de Janeiro, LABIMI/UERJ, 2013; Gênero, terceiro setor e desenvolvimento: Quebradeiras – uma luta pela preservação do meio ambiente e cultura dos babaçuais. Verona, 2015; Cultura, corpo e educação: diálogos de gênero. Intermeios/EDUFPI; Portugueses: ações e lutas políticas: Rio de Janeiro: São Paulo. Verona editores, 2015. Gênero e imigração: mulheres portugueses em foco. Emanuscrito, 2017. (Texto informado pelo autor)

Visite o Lattes para informações complementares.
Conheça o Grupo de Pesquisa.